In Sem categoria

Faltam apenas algumas corridas até ao final de
Campeonato de MotoGP
2022 e já há muita curiosidade e antecipação para o calendário 2023. Após o lançamento do
2023 Calendário de Fórmula 1
Muitas perguntas e dúvidas surgiram quanto ao que será a viagem de duas rodas. De facto, os dois campeonatos por vezes decorrem nos mesmos circuitos e, portanto, têm de fazer interface e coordenar de modo a não cobrirem os mesmos territórios ao mesmo tempo.

A coisa que certamente atraiu muita atenção quando o calendário do
Fórmula 1
é o número de corridas que a época 2023 pretende cobrir; um verdadeiro tour de force, o calendário mais longo de sempre. 24 corridas em nove meses, de Março até ao final de Novembro, passando de um continente para outro com apenas uma longa pausa em Agosto.

E o MotoGP? Quantas corridas existem e que mudanças em relação ao calendário anterior?

O calendário do MotoGP 2023 apresenta 21 corridas, começando em Portugal em Março e terminando em Valência, no final de Novembro. E a partir daqui compreendemos imediatamente quais são as primeiras novidades em comparação com os anos anteriores.

Calendário do MotoGP 2023: sem Aragão e partida de Portugal

26 de Março: Portimao / Portugal
2 de Abril: Termas de Rio Hondo / Argentina
16 de Abril: Austin/Estados Unidos
30 de Abril: Jerez / Espanha
14 de Maio: Le Mans / França
11 de Junho: Mugello / Itália
18 de Junho: Sachsenring / Alemanha
25 de Junho: Assen / Países Baixos
9 de Julho: Sokol / Cazaquistão
6 de Agosto: Silverstone / Grã-Bretanha
20 de Agosto: Spielberg / Áustria
3 de Setembro: Barcelona / Catalunha
10 de Setembro: Misano / San Marino
24 de Setembro: Buda / Índia
1 de Outubro: Motegi / Japão
15 de Outubro: Mandalika / Indonésia
22 de Outubro: Phillip Island / Austrália
29 de Outubro: Buriram / Tailândia
12 de Novembro: Sepang / Malásia
19 de Novembro: Losail / Qatar
26 de Novembro: Valência / Valência

O Calendário de MotoGP 2023

A primeira grande mudança começa com o início do próprio campeonato, com a primeira corrida da época. Há mais de dez anos, mais precisamente desde 2007, o campeonato de MotoGP abriu sempre a época com uma corrida nocturna no Qatar, no circuito do Losail em Doha. Em 2023 terá início na Europa, e precisamente no circuito de Portimão, em Portugal, a 24 de Março, antes de voar directamente para o outro lado do mundo, para a Argentina e América, e regressar à Europa com a clássica corrida espanhola em Jerez De la Frontera, que foi sempre a primeira ronda europeia do campeonato de duas rodas de topo.

A segunda grande notícia do ano diz respeito a uma nova entrada: o Grande Prémio do Cazaquistão será realizado a 7 de Julho no novo circuito de Sokol em Almaty, a maior cidade do país. No Cazaquistão haverá corridas durante os próximos cinco anos, esta é de facto a duração do acordo assinado entre o circuito e a Dorna. O Cazaquistão torna-se assim o 30º país a receber uma corrida de MotoGP desde 1949, um marco verdadeiramente importante para o campeonato mais antigo do mundo de desporto motorizado. E os registos não terminam aí; o belo circuito de Sokol é o 74º a receber uma corrida de MotoGP.

Depois deste novo GP haverá as clássicas férias de verão de três semanas antes de retomar com mais quatro corridas europeias, Silverstone, Áustria, Barcelona e San Marino.

A segunda grande notícia no calendário é a Índia. Depois das quatro corridas europeias deslocamo-nos para a Índia, onde a décima quarta corrida do MotoGP 2023 terá lugar, precisamente no Circuito Internacional de Buddh, localizado em Uttar Pradesh, a sul de Nova Deli.

Introduzir uma corrida na Índia é certamente uma excelente escolha estratégica; com uma população de mais de 1,4 mil milhões de pessoas e mais de 200 milhões de motos nas suas estradas, a Índia representa um enorme mercado tanto em termos de audiência para o campeonato como em termos de visibilidade para os fabricantes de motos que podem utilizar o MotoGP como uma ferramenta de comunicação perfeita no terreno.

Na verdade, como diz o comunicado do MotoGP “A Índia é uma verdadeira potência económica e cultural, o transporte de duas rodas representa quase 75% do número total de veículos utilizados diariamente, fazendo da Índia um dos maiores mercados de motociclos do mundo e um ponto de referência fundamental para os fabricantes de paddock MotoGP™. A corrida no Circuito Internacional de Buddh, localizado em Uttar Pradesh a sul de Nova Deli, vai trazer o desporto para o coração deste mercado chave e torná-lo mais acessível do que nunca aos nossos fãs em toda a região. Enquanto MotoGP™ continua a expandir-se, o Grande Prémio indiano marca um marco importante na missão do desporto de abrir as portas do motociclismo a todos, escrevendo um novo capítulo na história do primeiro campeonato mundial do desporto automóvel e acolhendo novos espectadores e fãs de todos os cantos do globo”.

A corrida indiana será a primeira de sete corridas na Ásia e Oceânia (Japão, Indonésia, Austrália, Tailândia, Malásia e Qatar) a época terminará então como sempre na Europa, em Valência, a 24 de Novembro.

Outra nova adição é a ausência da corrida na Finlândia, que já tinha sido incluída no calendário de 2022 mas que não foi realizada porque o circuito ainda não estava aparentemente pronto. Pensou-se que seria dentro de um ano e, em vez disso, foram acrescentados outros problemas, pelo que, sem dados, a Finlândia também salta em 2023.

Um calendário de 21 corridas, muito intenso, com recém-chegados e muitas confirmações em termos de circuitos.

Há também um ponto importante a salientar em relação ao formato da corrida, especialmente o de sábado. O verdadeiro elemento que faz uma mudança impactante no formato do campeonato, e assim todo o fim-de-semana de treino e corrida, é a introdução da Corrida de Sprint. Muito tem sido dito sobre o assunto nas últimas semanas, muitas vezes com pouca clareza e muitas dúvidas. Vamos então ver em detalhe o que é e como funcionará esta nova corrida curta de sábado

A corrida de sprint: porque foi incluída e vai estar em todas as corridas do calendário?

A corrida de sprint é a grande notícia do campeonato de MotoGP de 2023, uma verdadeira adição ao formato a que os espectadores têm estado habituados praticamente para sempre. Uma das perguntas mais frequentes que recebemos nos últimos tempos quando discutimos oportunidades de patrocínio desportivo no MotoGP é precisamente a razão pela qual esta corrida foi introduzida.

Dorna, a organizadora do campeonato, tomou certamente uma deixa da sua irmã de quatro rodas, a Fórmula 1, se não tanto pelo formato, pelo menos pela ideia de introduzir algo para melhorar o espectáculo e o programa de sábado. Especialmente para aqueles que assistem pessoalmente aos ensaios de sábado, como espectadores nas bancadas, e se queixam da falta de um espectáculo mais abrangente, como o espectáculo de domingo, e que por isso acham o programa de sábado menos excitante e demasiado curto.

E para eliminar esta fraqueza, a ideia era replicar a corrida de sprint também em duas rodas, mas adicioná-la a todas as corridas, não apenas a algumas como na Fórmula 1.

De facto, Carlos Ezpeleta, Director Desportivo, explicou numa recente conferência de imprensa detalhando os detalhes da corrida de sprint, que a decisão de ter esta corrida rápida em todas as corridas no calendário dá aos fãs a oportunidade de se familiarizarem mais com o novo formato e horário, não diferenciar entre GPs, todos eles importantes para a Dorna, e tornar tudo uniforme sem criar confusão.

Mas como é que funciona a corrida de spint?

Vejamo-lo especificamente. Antes de mais, digamos desde já que a corrida de sprint será realizada em todas as corridas, no sábado, após a qualificação oficial que determina a grelha de partida no domingo; assim, às 15 horas de cada sábado. Este é um primeiro ponto fundamental a ser especificado: a corrida de sprint não afectará e, portanto, alterará a grelha de partida da corrida de domingo, que é determinada como sempre no sábado com a qualificação oficial.

Assim, Q1 e Q2 determinam tanto a grelha de partida para a corrida de domingo como a grelha de partida para a corrida de Sprint de sábado à tarde.

A corrida de sprint é uma verdadeira corrida?

A corrida de sprint é uma corrida por direito próprio, com uma grelha de partida e um pódio que irá garantir pontos de campeonato. A corrida de sprint durará metade das voltas da corrida de domingo, portanto cerca de 20 minutos em comparação com 40 para a corrida completa. Eis o sistema pelo qual serão atribuídos os pontos: 12 para o vencedor, 9 para o segundo lugar, 7 para o terceiro. E subindo para o nono lugar.

Outras novidades, tanto para as equipas e os pilotos, como para a audiência na pista e em frente ao ecrã, são o horário e o programa geral no sábado. Vamos ver como o fim-de-semana se vai desenrolar a partir de sexta-feira.

O novo formato MotoGP a partir de 2023:

SEXTA-FEIRA

  • 9.00 Treino de Moto3 de 35 minutos 1 (esta sessão será 5 minutos mais curta do que nos anos anteriores)
  • 9,50 40 minutos Prática de Moto2 1
  • 10.45 45 minutos Prática de MotoGP 1
  • 13.15 35 minutos Prática de Moto3 2
  • 14.05 40 minutos Prática de Moto2 2
  • 15,00 60 minutos de Prática de MotoGP 2 (uma hora completa, portanto mais tempo do que o programa dos anos anteriores)

SÁBADO

É aqui que se podem ver as maiores mudanças. O dia começa mais cedo, às 8.40 da manhã.

  • 8.40 30 minutos Prática livre de Moto3
  • 9,25 30 minutos Prática livre de Moto2
  • 10.10 30 minutos de treino livre de MotoGP
  • 10,50 15 minutos Qualificatória de MotoGP 1
  • 11.15 15 minutos Qualificatória de MotoGP 2
  • 12,55 15 minutos Moto3 Qualificatória 1
  • 13.20 15 minutos Moto3 Qualificatória 2
  • 13.50 15 minutos Moto2 Qualificatória 1
  • 14.15 15 minutos Moto2 Qualificatória 2
  • 15.00 Corrida de Sprint de 20 minutos com uma posição no pódio independente da corrida do dia seguinte. Estes aspectos ainda estão a ser definidos.

DOMINGO

  • 9.40 10 minutos MotoGP Warm Up tão curto que o habitual
  • 10.00 30 minutos zona de fãs do MotoGP: outra grande novidade envolvendo alguma interacção com os fãs. Isto é certamente algo que falta actualmente no MotoGP e que precisa de ser melhorado, através da procura popular. O envolvimento com o público é fundamental, basta olhar por exemplo para o que a Fórmula 1 tenta fazer, que faz com que os condutores percorram o circuito para cumprimentar os espectadores nas bancadas; mesmo que estejam longe é uma forma de trazer todos os fãs que se reúnem na pista também para poderem ver os condutores, e não apenas os carros a passar. Em geral, os condutores de Fórmula 1 estão certamente mais empenhados e activos em termos de envolvimento com o público.
  • 11.00 Moto3 GP Race
  • 12.15 Moto2 GP Race
  • 14.00 Corrida

A corrida de sprint será restrita a 12 pilotos e terá exactamente as mesmas regras que a corrida normal. Como pode ver, o programa de sábado aumentou claramente e o dia está de facto muito cheio. O público terá um espectáculo na pista a partir das 8.40h até pelo menos às 15.45h.

Porque é que a introdução da Corrida de Sprint no MotoGP está a criar tanta controvérsia, especialmente entre equipas e pilotos?

Um dos primeiros aspectos em que aqueles que trabalham no MotoGP, equipas e pilotos em particular, têm fortes dúvidas é o stress a que os pilotos estarão sujeitos por terem de correr uma corrida extra, embora mais curta. De facto, não são ‘apenas’ os 20 minutos da corrida propriamente dita a serem considerados, mas tudo o que acontece antes e o cansaço e o stress que o piloto acumula ao sábado e que poderia reverberar na corrida de domingo.

O aspecto mais crítico é, em particular, o início de uma corrida. A partida, de facto, é o momento em que se corre o maior risco de ter um acidente e, portanto, de cair, é o momento mais stressante e complicado da corrida. Ter de o experimentar duas vezes é certamente uma complicação para os pilotos. E também para as equipas, que em caso de acidente têm de gerir a reparação das bicicletas e enfrentar os custos associados, a fim de estarem prontas para correr no dia seguinte. Muitas vezes não pensamos nisso, mas quando as motos sofrem danos, há uma série de despesas que afectam o orçamento de cada equipa para reparar os veículos.

Um stress físico, mental, técnico e organizacional que pesa sobre as equipas e os pilotos para todas as corridas de todo o campeonato. A sua preocupação é certamente legítima. O facto de a Fórmula 1 apenas correr a corrida de sprint durante 6 das 24 corridas torna claro que existem razões, e não apenas organizacionais, para tal escolha.

Aspectos positivos da corrida de sprint

Olhamos para a corrida de sprint através dos olhos da agência de marketing e também através dos olhos dos fãs, pelo que para nós é sem dúvida uma adição interessante que contribui para a qualidade do propriedade. Ter um programa de pistas tão rico no sábado é certamente uma vantagem para o público, especialmente para aqueles que vêm ao circuito e que podem sempre ter considerado o sábado menos interessante do que o domingo.

A possibilidade de ter uma janela dedicada à interacção dos fãs é outro aspecto importante que faltava no MotoGP. Falamos sempre de compromisso e de melhorar a experiência dos fãs; isto também significa oferecer aos fãs algo que esteja directamente relacionado com os pilotos e as equipas, como acontece na Fórmula 1.

É stressante para os pilotos? Claro que estão, estão lá para correr a mais de 300 km/h mais do que para assinar autógrafos, mas podem fazê-lo porque o público os observa e segue, paga pelos seus bilhetes, transfere, compra as suas mercadorias, etc. Algo tem de ser dado em troca, o desempenho da pista por si só já não é suficiente.

O segundo aspecto interessante, especialmente do ponto de vista do marketing e da comunicação, é que ter uma corrida extra com o seu próprio pódio dá aos possíveis patrocinadores a oportunidade de ter uma ferramenta adicional para investir e assim comunicar. As ofertas em termos de patrocínio estão a aumentar, e isto agrada-nos.

Como todas as mudanças, esta levará algum tempo a digerir, mas esperamos que melhore o formato. Só temos de esperar alguns meses.

Silvia Schweiger
Silvia Schweiger
Sport has always been my passion and I was lucky enough to be able to make it my job too. Graduated in Foreign Languages and Literatures, with a Master in Marketing and Communication, for 20 years I have been offering consultancy to companies wishing to use sport as a marketing and communication tool to better engage with their target and reach their objectives. Without sport, life is boring.
Recent Posts

Leave a Comment

Condutores de Fórmula 1
construção de um programa de patrocínio no MotoGP