In Fórmula 1, Fórmula1

Esta é uma lista e não uma classificação, mas se tivesse de escolher pelo coração, Senna seria sempre o primeiro….

Ayrton SennaAyrton Senna

Senna é considerado o maior piloto de F1 de sempre, superando Fangio, Ascari, Hamilton, Clark, Schumacher, Prost, Farina, Stewart, Verstappen, Lauda e qualquer outro piloto de F1 entre os fãs. Ayrton ganhou três Campeonatos do Mundo com a McLaren em 1988, 1990 e 1991. Senna venceu 41 das 162 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 25,3%. Quem teve a sorte de ver Ayrton em pista não pode deixar de reconhecer as suas excepcionais capacidades de condução e o seu carisma inigualável… pura magia.

Juan Manuel Fangio

Fangio, um cavalheiro humilde e simpático, era conhecido por estar sempre no carro certo à hora certa. Isto irritou Enzo Ferrari, que valorizava a lealdade total à sua equipa acima de tudo. Talvez Fangio tenha sido o único piloto superior à Ferrari. Foi também o piloto mais velho a ganhar um título, em 1957, com 46 anos. Fangio ganhou cinco títulos mundiais, um recorde que durou 46 anos até ser ultrapassado por Michael Schumacher. Impressionante é o número de corridas ganhas 24, em relação aos Grandes Prémios realizados 52 (com 51 partidas). Fangio ganhou 46% dos GPs em que participou.

Jim Clark

Clark foi um dos homens mais modestos que alguma vez se sentou num cockpit de F1, mas provavelmente o piloto mais singularmente dotado de todos os tempos. Ganhou dois campeonatos do mundo de F1, em 1963 e 1965, e também ganhou as 500 milhas de Indianápolis de 1965. No Grande Prémio da Bélgica de 1963, Clark venceu com quase cinco minutos de vantagem sobre o segundo classificado, a maior diferença alguma vez registada. Clark ganhou 25 das 72 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 34,7 por cento.

Stirling Moss

Moss continua a ser o cavalheiro inglês por excelência, um contador de histórias, um aventureiro e um condutor sem rival. Embora nunca tenha ganho um título mundial, Moss detém o título de vice-campeão mundial de todos os tempos, tendo sido segundo no campeonato entre 1955 e 1958 e terceiro na classificação do campeonato mundial por três vezes. Moss ganhou 16 das 66 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 24,2 por cento.

Jackie Stewart

Stewart, conhecido como o “Escocês Voador”, ganhou três títulos mundiais em 1969 com a Matra e em 1971 e 1973 com a Tyrrell. Stewart ganhou 27 das 99 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 27,3%. Retirando-se talvez demasiado cedo após um acidente que envolveu o seu então companheiro de equipa Cevert, lutou mais tarde para melhorar a segurança dos automóveis e continua ativamente envolvido na F1.

Michael Schumacher

Michael Schumacher

Schumacher, o inesquecível campeão, ganhou uma beleza de sete Campeonatos do Mundo cada um, tal como Hamilton. Os dois primeiros Campeonatos do Mundo, os de 1994 e 1995, foram disputados ao volante da Benetton, os outros foram conquistados pela Ferrari. Com Todt, Rory Birne e Ross Brawn, deram à equipa de Maranello e aos seus fãs cinco Campeonatos do Mundo e uma era que, para muitos, foi irrepetível. É o piloto mais bem sucedido da história da Fórmula 1. Schumacher venceu 91 das 308 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 29,5 por cento.

Niki Lauda

Lauda, conhecido pela sua rivalidade com James Hunt e pelo seu regresso milagroso após um terrível acidente em 1976, ganhou três títulos mundiais em 1975 e 1977 com a Ferrari e em 1984 com a McLaren.
Lauda venceu 25 das 177 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 14,1 por cento.
Niki deixou uma marca indelével no mundo do desporto automóvel, que frequentou ocupando vários cargos mesmo depois de se ter despedido das corridas.

Nelson Piquet

Nelson Piquet, nascido a 17 de agosto de 1952 no Rio de Janeiro, é um dos maiores pilotos da Fórmula 1, mas muitas vezes subestimado. Ganhou o campeonato do mundo três vezes com duas equipas diferentes, Brabham e Williams, entre 1978 e 1991. Piquet começou a sua carreira no karting, tornando-se campeão nacional brasileiro em 1971-72. Venceu o campeonato de Fórmula Vee em 1976. Piquet fez a sua estreia na Fórmula 1 em 1978 e encontrou uma casa permanente na equipa Brabham em 1979. Durante os seus anos com a Brabham, Piquet ganhou dois campeonatos em 1981 e 1983 e estabeleceu um recorde de nove pole positions em 1984. Piquet venceu 23 das 207 corridas realizadas, o que representa 11% das largadas.

Alain Prost

Prost é, sem dúvida, um dos maiores pilotos da história, com quatro Campeonatos do Mundo conquistados (1985, 1986, 1989, 1993) com a Mclaren nos três primeiros e com a Williams no último.
Tornou-se provavelmente apenas o terceiro piloto – depois de Niki Lauda e Michael Schumacher – a exercer uma força de personalidade suficiente na Scuderia Ferrari para construir a equipa de forma convincente à sua volta. Prost venceu 51 das 199 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 25,6 por cento. Apelidado de Professor devido à sua abordagem meticulosa das corridas, a sua rivalidade com Senna foi uma das páginas mais interessantes e controversas da F1 do século XX.

Gilles Villeneuve

Gilles Villeneuve, apesar de nunca ter ganho um campeonato, conquistou os corações dos fãs da Fórmula 1. Era conhecido pelo seu estilo de condução espetacular e corajoso, que o levava muitas vezes a ultrapassar os limites do seu carro. Villeneuve competiu na Fórmula 1 pela Ferrari de 1977 a 1982 e, embora a sua carreira tenha sido relativamente curta, deixou uma impressão duradoura no mundo do desporto automóvel. O seu filho Jacques conseguirá a proeza que lhe escapou, tornando-se Campeão do Mundo de Fórmula 1 em 1997 com a Williams.

Fernando Alonso

Alonso, duas vezes vitorioso com a sua Benetton, com a qual foi campeão do mundo em 2005 e 2006, é um dos pilotos mais bem sucedidos da era atual. Fernando não conseguiu ganhar o campeonato do mundo com a Ferrari, tocando-o três vezes, terminando em segundo lugar na geral em 2010, 2012 e 2013. Participou em 377 corridas e alcançou 106 pódios. Ganhou 32 Grandes Prémios com um rácio de 8,5% de vitórias por partida.

Lewis Hamilton

Lewis Hamilton

Hamilton, um dos desportistas mais bem pagos do mundo, é um dos pilotos mais bem sucedidos de sempre, com sete Campeonatos do Mundo, tal como Schumacher.
Participou em 332 corridas e alcançou 197 pódios. Hamilton venceu 103 das 332 corridas em que participou, com uma taxa de sucesso de 35,7%.
os seus sete títulos nas épocas de 2008, 2014, 2015, 2017, 2018, 2019 e 2020 foram todos conquistados com a Mercedes, exceto o primeiro, em 2008, quando Lewis conduzia um McLaren. Lewis é um ícone da Fórmula 1, uma superestrela global com um enorme alcance que faz dele um dos atletas mais vendáveis do mundo.

Sebastian Vettel

Vettel foi o piloto mais jovem a conquistar um título em 2010, com 23 anos e 134 dias. Realizou 299 corridas e obteve 122 pódios e 53 vitórias, com uma taxa de sucesso de 17,7%. Venceu o Grande Prémio de Itália no seu segundo ano na F1 ao volante da Toro Ross, o que lhe valeu a transferência para a Red Bull e fez a sua fortuna. Ganhou quatro títulos de campeão do mundo pela equipa austríaca entre 2010 e 2013. Em 2015, mudou-se para a Ferrari, com quem esteve perto do título por duas vezes, terminando em segundo lugar no campeonato em 2017 e 2018. A sua carreira continua na Aston Martin até à sua reforma em 2023.

Max Verstappen

Max Verstappen

Max Emilian Verstappen nasceu a 30 de setembro de 1997 em Hasselt, Bélgica. Venceu o Campeonato do Mundo de F1 em 2021, 2022 e 2023. Considerando a sua idade e abordagem, ele parece destinado a quebrar todos os recordes. Verstappen estreou-se na Fórmula 1 com 17 anos, tornando-se o piloto mais jovem de sempre da categoria. Ganhou a sua primeira corrida com 18 anos e 228 dias, durante o Grande Prémio de Espanha de 2016. Max é conhecido pelo seu estilo de condução instintivo e agressivo, que por vezes o colocou em desacordo com os seus colegas. Todos se lembram das suas discussões com Hamilton ou Ocon, para citar alguns exemplos. Em 2023, Verstappen venceu 19 corridas das 22 disputadas, terminou duas vezes em segundo lugar e uma vez em quinto…. Um rolo compressor que lhe permitiu registar o maior número de pontos de sempre numa única época de Fórmula 1. Com 185 corridas realizadas e 54 vitórias, tem uma percentagem de vitórias de 29,2% e, tendo em conta a idade e a competitividade da RedBull, os números só podem melhorar.

Cada piloto da lista deixou uma marca indelével na história da Fórmula 1, com as suas capacidades extraordinárias, personalidades únicas e histórias fascinantes. Estes são certamente os melhores pilotos de Fórmula 1 de todos os tempos.

Riccardo Tafà
Riccardo Tafà
Riccardo nasceu em Giulianova, licenciou-se em Direito na Universidade de Bolonha e decidiu fazer outra coisa. Depois de uma passagem pelo ISFORP (instituto de formação em relações públicas) em Milão, mudou-se para Inglaterra. Começou a sua carreira em Londres na área das relações públicas, primeiro na MSP Communication e depois na Counsel Limited. Depois, seguindo a sua paixão doentia pelo desporto, mudou-se para a SDC de Jean Paul Libert e começou a trabalhar em veículos de duas e quatro rodas, isto em 1991/1992. Seguiu-se uma breve mudança para o Mónaco, onde trabalhou com o proprietário da Pro COM, uma agência de marketing desportivo fundada por Nelson Piquet. Regressou a Itália e começou a trabalhar na primeira pessoa como RTR, primeiro uma empresa de consultoria e depois uma empresa de marketing desportivo. 
Em 2001, a RTR ganhou o prémio ESCA para o melhor projeto de marketing desportivo em Itália no ano 2000. Entre outras coisas, a RTR obteve a pontuação mais elevada entre todas as categorias e representou a Itália no concurso europeu da ESCA. A partir desse momento, o RTR deixou de participar noutros prémios nacionais ou internacionais. Ao longo dos anos, tem alguma satisfação e engole muitos sapos. Mas continua aqui, a escrever de forma desencantada e simples, com o objetivo de dar conselhos práticos (não solicitados) e motivos de reflexão.
Recent Posts

Leave a Comment

Haas formula 1
tifosi formula 1