In Marketing Desportivo, Patrocínios desportivos

O Campeonato do Mundo de Superbike de 2024 (WSBK) promete ser emocionante, com grandes mudanças no panorama dos pilotos e das equipas. A época será marcada por um elevado nível de competição técnica e competitiva, apesar do número reduzido de corridas em relação aos anos anteriores.

Superbike 2024: quantas mudanças na grelha

Jonathan Rea, o dominador da última década, vai juntar-se à equipa Pata Yamaha Prometeon WorldSBK, substituindo Toprak Razgatlioglu, que se vai mudar para a equipa ROKiT BMW Motorrad WorldSBK. O Campeão do Mundo Alvaro Bautista vai continuar com a Aruba.it Racing – Ducati, enquanto Nicolò Bulega vai juntar-se à equipa Borgo Panigale.

Além disso, existe uma grande expetativa pelo regresso de Andrea Iannone, que irá correr com a equipa GoEleven. Apesar do número limitado de corridas, o WSBK 2024 promete duelos emocionantes em pista e uma elevada competitividade entre os pilotos e os construtores.

Alterações técnicas e regulamentares

A Superbike 2024 contará com várias inovações técnicas que afectarão o desempenho das motos e a dinâmica das corridas.

Uma das principais alterações diz respeito à capacidade do depósito, que será reduzida para 21 litros a partir de 2024. Além disso, será introduzido um peso combinado para o condutor e para a moto e haverá limites para as rotações por minuto. Estas alterações foram estabelecidas pela Comissão Superbike, composta por representantes da Dorna, da FIM e dos construtores, com o objetivo de assegurar um desempenho equilibrado das motos e promover as orientações ambientais e de segurança.

Outra inovação importante diz respeito ao controlo do fluxo de combustível. A partir de 2025, será obrigatória a utilização de um sistema de controlo do fluxo de combustível e, em 2024, duas motos de cada fabricante terão de instalar um medidor de fluxo de combustível e registar os dados durante os testes e as corridas.

Estas alterações técnicas destinam-se a tornar o campeonato mais justo e a promover o desenvolvimento futuro das motos em conformidade com as orientações ambientais. Será interessante ver como estas inovações afectarão o desempenho das motos e a dinâmica das corridas no Campeonato do Mundo de Superbike de 2024.

 

Toprak Razgatlioglu

Superbike: um novo calendário para 2024 e novos pontos

O Campeonato de 2024 contará com várias inovações desportivas que influenciarão o desenrolar das corridas e a dinâmica da competição.

Uma das principais novidades diz respeito ao número reduzido de corridas, com apenas 12 rondas, 11 das quais na Europa e apenas uma fora da Europa, que se realizará em Phillip Island, na Austrália. Esta redução do calendário poderá influenciar a estratégia dos pilotos e das equipas, tornando cada corrida ainda mais crucial para a classificação final.

Além disso, haverá um peso mínimo para o piloto e a mota, que já estava previsto para 2023, mas que foi cancelado pouco antes do início da época. Este peso combinado ainda não foi comunicado e não tem de ser idêntico para todas as combinações. Esta inovação tem por objetivo assegurar um desempenho equilibrado das motos e promover as orientações ambientais e de segurança.

Por último, haverá também alterações no sistema de pontos de concessão, com um alargamento aos cinco primeiros classificados, a fim de melhorar o equilíbrio do desempenho entre as diferentes marcas. Estas inovações desportivas ajudarão a tornar o Campeonato do Mundo de Superbike de 2024 ainda mais emocionante e imprevisível.

As equipas do Campeonato do Mundo de Superbike (WSBK) estão a preparar-se para as inovações técnicas de 2024 através de uma série de ajustes e estratégias. As equipas estão a lidar com os novos regulamentos técnicos, incluindo o peso combinado do piloto e da moto, os limites das rotações e a redução da capacidade do depósito. Estas alterações exigem um planeamento cuidadoso por parte das equipas, que terão de recalibrar o desempenho das suas motos e desenvolver novas estratégias de corrida para se adaptarem às alterações.

Além disso, as equipas estão a trabalhar na integração das novas tecnologias necessárias, como o sistema de controlo do fluxo de combustível, que se tornará obrigatório a partir de 2025. Isto exige um trabalho de desenvolvimento e de adaptação por parte dos fabricantes e das equipas para garantir a conformidade com a nova regulamentação.

Dos testes ao Ano Novo

Os testes de pré-temporada, como os realizados em Jerez, dão às equipas a oportunidade de avaliar o desempenho das suas motos de acordo com os novos regulamentos e de fazer quaisquer alterações antes do início da época. Além disso, as equipas estão a trabalhar em estreita colaboração com os seus pilotos para otimizar o desempenho e adaptar as estratégias de condução às novas condições.

Em resumo, as equipas do WSBK 2024 estão a abordar as alterações técnicas através de trabalhos de adaptação, desenvolvimento e planeamento para garantir um desempenho competitivo e a conformidade com os novos regulamentos

Podemos ajudá-lo a assinar o seu melhor acordo de patrocínio?

Riccardo Tafà
Riccardo Tafà
Riccardo nasceu em Giulianova, licenciou-se em Direito na Universidade de Bolonha e decidiu fazer outra coisa. Depois de uma passagem pelo ISFORP (instituto de formação em relações públicas) em Milão, mudou-se para Inglaterra. Começou a sua carreira em Londres na área das relações públicas, primeiro na MSP Communication e depois na Counsel Limited. Depois, seguindo a sua paixão doentia pelo desporto, mudou-se para a SDC de Jean Paul Libert e começou a trabalhar em veículos de duas e quatro rodas, isto em 1991/1992. Seguiu-se uma breve mudança para o Mónaco, onde trabalhou com o proprietário da Pro COM, uma agência de marketing desportivo fundada por Nelson Piquet. Regressou a Itália e começou a trabalhar na primeira pessoa como RTR, primeiro uma empresa de consultoria e depois uma empresa de marketing desportivo. 
Em 2001, a RTR ganhou o prémio ESCA para o melhor projeto de marketing desportivo em Itália no ano 2000. Entre outras coisas, a RTR obteve a pontuação mais elevada entre todas as categorias e representou a Itália no concurso europeu da ESCA. A partir desse momento, o RTR deixou de participar noutros prémios nacionais ou internacionais. Ao longo dos anos, tem alguma satisfação e engole muitos sapos. Mas continua aqui, a escrever de forma desencantada e simples, com o objetivo de dar conselhos práticos (não solicitados) e motivos de reflexão.
Recent Posts

Leave a Comment

Superbike 2024: mudanças de casacos, regulamentos e novas estratégias, RTR Sports
Toprak Razgatlioglu