In MotoGP

MotoGP: acidentes incríveis, recuperação muito rápida. Cavaleiros ou super heróis?

Os pilotos do Campeonato Mundial de Motociclismo habituaram-nos a explorações que também seriam difíceis de conceber para Stan Lee, o criador dos super heróis da Marvel, e a sua imaginação sem limites. Recuperações muito rápidas, acidentes que se espera que mantenham qualquer homem leigo fora de acção durante pelo menos três meses resolvidos de um dia para o outro, corridas com pulsos e tornozelos partidos. A lista pode continuar com os condutores sujeitos a operações e convalescer durante algumas horas e performances em motociclos inconcebíveis para os comuns mortais.

As notícias em flash vindas do paddock nesta mesma hora informam que o Campeão do Mundo Marc Marquez poderá estar no bom caminho este fim-de-semana, após ter sido operado para corrigir uma fractura do úmero apenas há dois dias. O espanhol sofreu uma péssima parte durante a ronda de abertura do Campeonato de MotoGP em Jerez, no dia 19 de Julho de 2020. Se Marquez estivesse na grelha apenas sete dias após ter literalmente partido um braço em dois, seria definitivamente um para as idades.

O piloto da Repsol Honda Rider está agora à espera de ser considerado “apto a montar” pelo pessoal médico da Dorna, mas entretanto já voou para Jerez onde voltará a juntar-se à sua equipa, que decidiu não chamar o piloto de testes da Honda Stefan Bradl.

Em condições muito semelhantes estão também a LCR Honda Team e a Ecstar Suzuki Team, que estão actualmente à espera de actualizações relativamente aos seus cavaleiros Cal Crutchlow e Alex Rins. Tanto o inglês como o Rins também tiveram uma abertura muito dura para a época, resultando num escafóide partido e num ombro muito torcido. Sem dúvida que teremos de esperar para ver mas, como por agora, os três pilotos poderão usar as suas peles e saltar numa mota para o GP da Andaluzia este fim-de-semana.

A história do MotoGP está repleta de tantos episódios e acidentes extraordinários resolvidos de uma forma tão sensacional que uma lista exaustiva seria demasiado longa para ser redigida. O objectivo das linhas seguintes é ilustrar alguns dos acidentes mais populares para enfatizar a fortaleza e a concha muito dura destes incríveis cavaleiros-heróis, mas acima de tudo a sua enorme paixão.

Loris Capirossi – Assen 2000

É a primeira época do novo Milénio e o cavaleiro de Castel San Pietro está a correr o Grande Prémio em Assen com a mão partida devido a uma fractura sofrida no terceiro e quarto metacarpo durante a sessão de aquecimento algumas horas antes da corrida. Capirossi corre a corrida e até pisca sob a bandeira axadrezada, pontuando em terceiro lugar. Após a cerimónia de entrega de prémios, ele vai para a enfermaria onde a sua mão é totalmente rebocada sob o olhar incrédulo do pessoal médico.

Troy Bayliss – Donington Park 2007

Na terceira corrida da temporada de Superbike 2007, Bayliss lidera a Corrida 1 quando cai numa curva e voa sobre o cascalho. Os médicos do hospital Derbyshire diagnosticam-no imediatamente com um dedo mindinho partido e a fractura é de tal ordem que requer uma reconstrução total. O cavaleiro pede os tempos de recuperação após a operação e a resposta não lhe agrada: o tempo de hospitalização é, na sua opinião, demasiado longo. Como não quer desistir do campeonato mundial e parar a sua época de corridas, Bayliss toma a decisão mais sensacional: amputação de dedos.

Marc Marquez – Mugello 2013

A história diz que cada cavaleiro na terra sentiu o seu coração a saltar quando atacou o terrível trecho recto do circuito de Mugello. Com as motos a atingirem agora velocidades máximas superiores a 350 km por hora, a longa recta das colinas da Toscana é um dos pontos mais rápidos do Campeonato Mundial de Motociclismo. Em 2013, Marc Marquez está na extremidade receptora: perde o controlo da sua Honda imediatamente antes de estrangular e cai no chão a 340 km por hora. É um acidente fantástico que deixa muitos espectadores, comentadores desportivos e operadores do sector sem fôlego. Por sorte, o rapaz de Cervera levanta-se, aparentemente ileso, e caminha para a caixa. No dia seguinte, ele correria a corrida com uma enorme contusão no maxilar sob o capacete.

Valentino Rossi – Mugello 2010

As vítimas do Grande Prémio de Itália incluem também o nove vezes campeão mundial, Valentino Rossi. Em 2010, o Doutor está sem chumbo da sua Yamaha e é alvejado no ar. O acidente causa-lhe um tornozelo partido. Apesar da sua recuperação recorde (apenas 41 dias), Rossi não consegue ser um concorrente preocupante no Campeonato Mundial de Motociclismo.
Alguns anos mais tarde, em Agosto de 2017, a história repete-se e Rossi fratura novamente a sua tíbia e fíbula enquanto treina com uma motocicleta de corrida todo-o-terreno. Três semanas mais tarde, junta-se ao campeonato de Aragão e marca uma excelente quinta posição.

Jorge Lorenzo – Assen 2013

Um lugar especial entre as façanhas mais sensacionais da história do MotoGP é para Jorge Lorenzo em 2013, na Holanda. Durante a FP2 na tarde de quinta-feira em Assen Lorenzo toca a linha branca escorregadia pela chuva com o pneu traseiro da sua bicicleta e perde imediatamente a tracção, levando a uma tremenda elevação. O espanhol termina a sua queda no ombro esquerdo, o que lhe causa uma fractura completa da clavícula. É transferido urgentemente para o Hospital Geral da Catalunha, onde é operado durante a noite. Após a operação, Lorenzo pede quase incrivelmente para ser levado de volta ao circuito de Assen, onde corre a corrida de sábado, marcando uma espantosa quinta posição.

Barry Sheene – Daytona 1975

A lenda do motociclismo de Sheenedeve definitivamente muito à sua capacidade de recuperar rapidamente de acidentes horríveis, numa altura em que os sistemas de segurança não eram tão avançados como são hoje em dia. Estamos no ano 1975 e o concurso é Daytona, Estados Unidos. O pneu traseiro da bicicleta de Sheeneé literalmente pulverizado a 170 km por hora e o ciclista acaba por se amassar no fundo do banco. O relatório médico soa como uma expedição pela frente: fractura do fémur esquerdo, fractura do raio e ulna direitos, fracturas por compressão em 4 vértebras, 3 costelas partidas e uma lista inumerável de abrasões terríveis. Mais tarde, o corredor diria à imprensa que tinha tanta pele a descascar das costas que poderiam revestir um sofá com ela. Acrescentou que teria sido abatido no local se tivesse sido um cavalo de corrida, e não um homem. Apesar de todos os ferimentos, o Sheen levou menos de 50 dias para voltar a conduzir a sua motocicleta.

Mick Doohan – Assen 1992

O acidente de motociclismo que mais contribuiu para colocar a Clínica Mobile e o seu criador, Dr. Costa, sob os holofotes internacionais foi o acidente de Mick Doohanem Assen, em 1992. Durante as sessões de qualificação do Grande Prémio da Holanda, o piloto australiano da equipa HRC escorrega na pista e fica preso debaixo da sua bicicleta até acabar por cair contra os altos passeios ao longo da pista. Com a sua tíbia e fíbula esmagadas, Doohan é imediatamente operado. Após a operação ocorrem sérias complicações que levam a uma gangrena grave e à terrível perspectiva de amputação. O Dr. Costa escolhe Doohan do hospital e confina-o numa pequena clínica privada montada na sua própria casa. Doohan recebe tratamentos no limite da ficção científica, incluindo ambas as pernas rebocadas juntas para facilitar a troca de sangue entre os membros e a aplicação de uma enorme cinta metálica para endireitar a sua perna. Oito semanas de sacrifício para salvar a perna de Doohan e permitir-lhe voltar para a sela. Embora Doohan tenha acabado por perder o campeonato mundial por alguns pontos, ele entrou inevitavelmente no salão da fama.

Uma pequena, grande ajuda

Os desportistas em geral e os cavaleiros, em particular, têm uma força de vontade muito forte do seu lado para os ajudar a ultrapassar dificuldades incríveis. Para além disto, contudo, é bastante honesto dizer que a recuperação dos pilotos de MotoGP é apoiada por instalações de classe mundial que os ajudam e ajudam a alcançar resultados espantosos. A Clínica Móvel, como mencionado acima, é uma destas instalações. Esta clínica, que pode ser incluída na lista de “excelências italianas”, tem características, especificidades e capacidades operacionais que a tornam uma interessante oportunidade de patrocínio para empresas que operam em sectores relacionados com a saúde e o bem-estar. Clique neste link.

Gostou deste post? Não perca a oportunidade de o partilhar!

Picture by Scott Jones
Riccardo Tafà
Riccardo Tafà
Riccardo nasce a Giulianova, si laurea in legge all’Università di Bologna e decide di fare altro, dopo un passaggio all’ ISFORP (istituto formazione relazioni pubbliche) di Milano si sposta in Inghilterra. Inizia la sua carriera lavorativa a Londra nelle PR, prima da MSP Communication e poi da Counsel Limited. Successivamente, seguendo la sua insana passione per lo sport, si trasferisce da SDC di Jean Paul Libert ed inizia a lavorare nelle due e nelle 4 ruote, siamo al 1991/1992. Segue un breve passaggio a Monaco, dove affianca il titolare di Pro COM, agenzia di sports marketing fondata da Nelson Piquet. Rientra in Italia e inizia ad operare in prima persona come RTR, prima studio di consulenza e poi società di marketing sportivo. Nel lontanissimo 2001 RTR vince il premio ESCA per la realizzazione del miglior progetto di MKTG sportivo in Italia nell’anno 2000. RTR tra l’altro ottiene il maggior punteggio tra tutte le categorie e rappresenta L’Italia nel Contest Europeo Esca. Da quel momento, RTR non parteciperà più ad altri premi nazionali o internazionali. Nel corso degli anni si toglie alcune soddisfazioni e ingoia un sacco di rospi. Ma è ancora qua, scrive in maniera disincantata e semplice, con l’obiettivo di dare consigli pratici (non richiesti) e spunti di riflessione.
Recent Posts

Leave a Comment

Activação do patrocínio no desporto automóvel